Galinhos, no Rio Grande do Norte, é uma península. Isso significa que a cidade é banhada pelas águas do mar por quase todos os lados. No destino, a 170km de Natal, o turista encontra um farol à beira-mar, praias isoladas, uma montanha de sal, dunas, um mangue cheio de vida e bastante sol e vento.

O Descubra o Brasil vai apresentar nos próximos três meses destinos que já estão no radar dos viajantes que buscam roteiros diferentes, mas que merecem ser mais conhecidos.

O pequeno município fica na região conhecida como Polo Costa Branca – nome que faz referência tanto às dunas quanto às montanhas de sal criadas por empresas de extração de sal, ambas abundantes neste pedaço do Rio Grande do Norte.

O melhor jeito de chegar a Galinhos é pegar duas horas de estrada desde a capital potiguar (pelas BR-406 e RN-402) e depois cruzar um braço de mar que banha a cidade.

Os turistas deixam os carros em um estacionamento público, com segurança 24h, e pegam um barco no porto de Pratagil. A travessia leva apenas 10 minutos e acontece diariamente a cada meia hora.

Ao desembarcar, o visitante se depara com um lugar onde carros comuns não circulam. Você tem a opção de contratar um burro-táxi: charretes usadas para ajudar os visitantes no transfer do píer até sua hospedagem. É que em Galinhos só é possível se locomover com veículos 4×4, buggy ou nas charretes de tração animal.

Com menos de três mil habitantes e muito espaço nas areias para você se isolar, o município tem 57 anos de fundação. Até o início dos anos 60 ele era um distrito de São Bento do Norte, outra cidade da região. Emancipado em 1963, Galinhos tinha sua economia baseada na pesca e na extração de sal. Foi só nos últimos anos que a vocação para o turismo passou a ser mais notada.

Uma das atrações do lugar é o fotogênico Farol de Galinhos. Seja na maré baixa, quando você pode chegar bem pertinho, ou na maré alta, quando o Farol desponta no mar, vale dedicar alguns cliques para registrar o cenário – principalmente na hora do pôr do sol.

Buggies e charretes fazem esse trajeto, mas você também pode optar por caminhar pela orla, dependendo da sua localização e disposição para caminhada.

Barcos cruzam as águas, circundando a cidade, para apresentar belezas naturais e outras curiosidades locais. É a chance de ver de perto o manguezal rico em vida, as dunas da região e a grande montanha branca da salina instalada na cidade há mais de 50 anos.

Outra opção para conhecer toda a região é contratar os passeios de buggy. Eles percorrem a orla e dunas de Galinhos.

Como a água que abastece Galinhos tem uma concentração maior de sal, é comum encontrar nos banheiros dos hotéis da cidade dois chuveiros – um deles improvisado, com água mineral, para os hóspedes finalizarem o banho.

Veja a seguir outros destaques de Galinhos:

  • As praias da cidade banhadas pelo mar aberto são mais procuradas por praticantes de kitesurf, principalmente no segundo semestre do ano, quando há mais vento e o mar fica mais agitado. Por conta da força do vento, inclusive, há também muita areia voando. Óculos escuros é item indispensável.
  • Quem prefere águas mais calmas também tem vez: basta optar pelas praias do braço de mar, chamado de “rio” pelos moradores locais, dada a falta de ondas. Na maré baixa também dá para encontrar piscinas naturais formadas nas areias.
  • Alguns dos passeios de barco oferecem refeições fresquinhas, com peixes, ostras e outros frutos do mar pescados durante o trajeto.
  • De buggy se acessa a praia de Galos, mais afastada e isolada, com um visual de natureza ainda mais intocada.
  • O Morro do André é um dos pontos procurados para se ter uma vista do alto da região. Vá de buggy para apreciar a vista, tirar fotos ou admirar o pôr do sol.
  • Por conta do vento constante, as dunas de Galinhos foram escolhidas para abrigar um parque de geração de energia eólica. As gigantes pás dos aerogeradores dão um visual peculiar ao horizonte e atraem a curiosidade dos visitantes.

Serviço

Entre pousadas, hotéis e casas de aluguel, Galinhos tem 26 opções de hospedagem, com 496 leitos. São 8 restaurantes e 20 trailers de food truck servindo principalmente peixes e frutos do mar, mas você encontra na cidade até uma pizzaria.

Galinhos tem 45 charretes, 20 buggys e 45 barcos de passeio cadastrados para oferecer passeios aos visitantes.

Apesar de todos os estabelecimentos locais aceitarem cartão, é recomendado levar algum dinheiro em espécie, já que a cidade não possui caixas eletrônicos nem agências bancárias.

Há apenas uma lotérica e correspondentes bancários do Bradesco e Banco do Brasil. As operadoras de celular Claro e Vivo tem bom sinal 4G no local. Para as demais, o sinal é o de 3G e pode oscilar de acordo com a localização.

Na pandemia

Para garantir a segurança sanitária em tempos de pandemia, a cidade criou o selo Galinhos Destino Seguro, com algumas exigências para o setor turístico. Além de higiene redobrada, há a preocupação em se manter o distanciamento social. Assim, barcos, buggies e charretes têm transportado um número reduzido de pessoas por vez.

Por enquanto, apenas os visitantes com comprovação de hospedagem ou passeios agendados junto à Secretaria de Turismo da cidade estão liberados para acessar a península, entre 8h e 18h. Duas barreiras sanitárias na cidade verificam a temperatura corporal de cada visitante que chega e dão orientações gerais, como o uso constante de máscara, por exemplo.

Fonte: G1
Foto: Divulgação